Autonomia

Um dos grandes cuidados que a família deve ter é o de trabalhar a autonomia da criança, à medida que ela vai adquirindo condições para assumir suas tarefas e responsabilidades.

Penso que uma criança, quando aprende a ler já não precisa da assistência direta dos pais para fazer as tarefas de casa. Toda vez que ela apresentar uma dúvida peça a ela que releia com atenção e veja se é capaz  de resolver sozinha a questão. Se  conseguir, deve receber palavras de elogio e incentivo, pois o ser humano reage de acordo com a expectativa que se tem dele. Para a criança será uma conquista e  ela com certeza vai desejar ver essa cena repetida.

Naturalmente a família, conhecendo o filho que tem e suas aptidões, deverá então dosar esse acompanhamento, não oferecendo a ele mais do que precisa e também não negligenciando se a dificuldade é real.

Muitas crianças, por desejarem maior atenção dos pais ou mesmo por acomodação usam membros da família como verdadeiras muletas, para resolver todos os seus problemas, e é muito  fácil os pais caírem nessa armadilhas criadas,  mesmo que de maneira inconsciente, pelos seus filhos.

A grande questão é que quando você resolve o problema, você não está ajudando, mas reforçando uma dependência indesejável, que prejudicará o aluno, gerando insegurança para ele agir quando tiver de se virar sozinho. É o caso, por exemplo, de alunos que têm pavor de fazer avaliações. As temidas provas  desestabilizam. Nesse momento ele está só e pode ser que ele não tenha aprendido a agir sozinho.

Sabemos que as estruturas humanas são complexas e por vezes o sentimento de culpa da mãe que trabalha o dia todo fora e que  se sente em débito com o filho leva a ações impensadas, como forma de compensação. Às vezes a própria carência da mãe, sobrevivente nesse mundo impiedoso anseia por um momento onde ela possa dar de si e se sentir reconfortada.

Tudo pode ser compreendido e aceito, mas temos que lembrar sempre que somos os adultos da relação e que cabe ao adulto orientar e mostrar o caminho para que a criança possa caminhar “só” e segura.

Até a próxima,

Um Abraço,

Maria

Digite seu email e receba meus artigos!

 

Não há artigos relacionados

Esta entrada foi publicada em A família no processo de educação, Limite e disciplina e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>