A prática do Bullying será considerada crime

Entre as muitas alterações   previstas  na revisão  do Código Penal Brasileiro teremos  provavelmente a inclusão da prática do bullying como crime.

O código penal vigente criado pelo Presidente Getúlio Vargas, pelo decreto-lei nº 2.848 em 7 de dezembro de 1940, influenciado   pelo totalitarismo das ideias de Mussolini, apesar de todas adaptações e leis complementares  que sofreu, não atende às necessidades de uma sociedade atual, setenta anos após a sua criação.

Naquela época, período da Segunda Guerra Mundial, não haveria nem mesmo espaço para o questionamento dessa prática, caso fosse identificada.

Nesses setenta anos a sociedade brasileira e mundial  passou por grandes transformações. Inúmeras mudanças ocorreram nessas sete décadas.

O bullying sempre existiu, não com essa denominação e também não  com as atuais proporções.

O termo bullying, usado pela primeira vez em 1978,  tem origem na palavra inglesa bully, que significa valentão, brigão,  sendo caracterizado por todas as formas de atitudes agressivas verbais ou físicas, intencionais e repetitivas que são exercidas por um ou mais indivíduos, causando dor e angústia, sendo realizadas dentro de uma relação  desigual de força e poder.

Incapaz de se defender, a vítima  passa por um sofrimento que pode ser físico, psicológico ou social,  tomando a forma de exclusão.

Em casos extremos esse sofrimento pode levar até mesmo ao suicídio, fato mais comum no Japão, onde muitos se calam e não admitem a vergonha de  serem alvo de agressões..

Esperamos que essa alteração na legislação  determine uma ação punitiva rigorosa para o caso em questão.

À escola cabe fazer um trabalho de prevenção e observação, reprimindo essa pratica.

À família cabe dar o suporte necessário para que a criança desenvolva a sua auto estima e fortaleça as suas estruturas emocionais evitando assim que ela se torne vulnerável e exposta a situações dolorosas e constrangedoras.

A educação se faz por meio de estímulos e elogios. Criança depreciada em casa leva isso para outras relações sociais  ficando vulnerável, porque acaba achando que merece ser discriminada e se torna presa fácil.

Ao Estado cabe preservar a dignidade do ser humano de acordo com o  previsto na Constituição.

Um Abraço,

Maria

Digite seu email e receba meus artigos!

 

Related posts:

  1. Bullying: a violência na escola
Esta entrada foi publicada em A família no processo de educação, Bullying e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>